Moto 1000 GP: primeira metade da temporada pode ter até 14 pilotos vencedores

quinta-feira, 21 de agosto de 2014



A rotatividade no degrau mais alto do pódio tem sido uma das principais características do Moto 1000 GP na temporada de 2014. Nas 11 corridas que compuseram as três primeiras etapas, nove pilotos conquistaram vitórias e se posicionaram em condição favorável na disputa pelos títulos de suas categorias no Campeonato Brasileiro de Motovelocidade, que terá sua quarta etapa no dia 31 de agosto no Autódromo Zilmar Beux, em Cascavel (PR).

O GP Cascavel, no circuito onde o Moto 1000 GP atinge suas maiores médias de velocidades, vai marcar o término da primeira metade da temporada com a possibilidade de elevar a 14 o número de pilotos vencedores – a etapa terá corridas nas categorias GP 1000, GP 600, GP Light e GPR 250, esta com uma inédita rodada dupla para que seja reposta a prova cancelada em julho no GP Brasília por conta da falta de condições climáticas seguras.

“Quando formatamos o regulamento do Moto 1000 GP buscamos várias soluções, e uma delas foi oferecer boas condições de competitividade a todas as equipes e a todos os pilotos”, observa Gilson Scudeler, promotor do evento. “Os resultados deste ano comprovam que o objetivo foi atingido. O Moto 1000 GP atingiu um nível de equilíbrio muito interessante, não vai ser surpresa se tivermos novos vencedores em todas as categorias em Cascavel”, opina.

As três etapas já realizadas confrontaram os pilotos em Santa Cruz do Sul (RS), Interlagos (SP) e Brasília (DF). A GP 1000, categoria principal, teve vitórias do francês Matthieu Lussiana, pela Petronas Alex Barros Racing, do norte-americano Danny Claxton Eslick e do argentino Diego Pierluigi, ambos pela JC Racing Team. Pierluigi, com o triunfo em sua reestréia na competição, em Brasília, tornou-se recordista de primeiros lugares do Moto 1000 GP.

A categoria GP Light também teve três pilotos vencedores. O paulista Fábio Adas, pela Paulinho Superbikes, e os brasilienses Henrique Castro e Ian Testa, inscritos pela BSB Motor Racing e Motonil Motors-PDV Brasil, obtiveram os primeiros lugares nas três provas disputadas. Para todos eles os resultados significaram a conquista da liderança do campeonato, atualmente em poder de Testa, que jamais havia vencido uma etapa do Campeonato Brasileiro.

A categoria-escola GPR 250 teve duas etapas disputadas, ambas com vitórias de paulistas. Meikon Kawakami, da Playstation-PRT, abriu a temporada conquistando o primeiro lugar e a liderança da competição, mantida até hoje. Lucas Torres, pela Estrella Galicia 0,0 by Alex Barros, ganhou a segunda e assumiu a liderança da tabela paralela que vai classificar um piloto do Moto 1000 GP para a seletiva internacional do Red Bull MotoGP Rookies Cup.

A GP 600, ao contrário das demais categorias, teve vitórias do mesmo piloto nas três etapas já realizadas. Vice-campeão em 2013, quando o título foi conquistado pelo gaúcho Rafael Bertagnolli, o uruguaio Maximiliano Gerardo, integrante da MG Bikes Yamaha Racing, chega a Cascavel como líder invicto – o gaúcho Pedro Sampaio, da equipe Fábio Loko, e o paranaense Joelsu Silva, da Paulinho Superbikes, são seus adversários mais próximos na pontuação.

As motocicletas do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade utilizam a gasolina Petrobras Podium e o óleo lubrificante Lubrax Tecno Moto. Petrobras e Lubrax patrocinam a competição ao lado da BMW Motorrad e da Michelin, fornecedora de pneus a todas as equipes inscritas. A Auto Service Logística é a transportadora oficial do evento, que conta também com o apoio de Suzuki, Beta Ferramentas, HPN, Servitec, LeoVince, Shoei e Tutto Moto.

Posts Relacionados