Alonso e Räikkönen "fizeram a cama" a Domenicali

terça-feira, 15 de abril de 2014

 
A demissão de Stefano Domenicali do cargo de diretor da Ferrari resultou da enorme pressão que os pilotos Fernando Alonso e Kimi Räikkönen começaram a fazer desde os testes de pré-temporada, quando perceberam que não tinham carro à altura para lutar por vitórias.

A explicação está a ser avançada em órgãos de comunicação social italianos e britânicos desde que foi anunciada a saída de Domenicali, nesta segunda-feira.

Segundo os relatos, a saída do italiano ficou selada após a corrida do GP do Bahrain, a 6 de abril, quando Alonso terminou em 9.º e Räikkönen em 10.º, num desempenho que levou Luca di Montezemolo, presidente da marca, a deixar o circuito bem antes do final.

O jornal italiano "La Gazzetta dello Sport" fala mesmo de uma crise prestes a rebentar, processo travado pela saída de Domenicali, que entrou na Ferrari em 1991. Nessa situação, Alonso terá sido o mais inconformado, o que traçou o destino do diretor, devido à influência que tem sobre Montezemolo, revela a Sky.

O melhor resultado que a Ferrari conseguiu nas 

Posts Relacionados