F-Truck: pilotos da Volvo vivem expectativa de estreia na pista de Córdoba

quinta-feira, 22 de agosto de 2013


A sétima etapa do Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck, que leva a categoria de volta à Argentina, marcará também no dia 8 de setembro a quarta e última prova do Campeonato Sul-Americano. A corrida no Autódromo Oscar Cabalén, em Alta Gracia, província de Córdoba, representará para vários dos 26 pilotos inscritos a oportunidade inédita de atuar numa corrida fora do Brasil. É esta a situação dos que competem com caminhões Volvo.

O melhor colocado entre os inscritos com Volvo é João Marcos Maistro, paranaense que ocupa o 12º lugar na classificação do Sul-Americano e está em 11º no Brasileiro. “Minha meta para o campeonato deste ano, desde o início do ano, é estar no grupo dos dez primeiros. Consegui esse objetivo nas quatro primeiras corridas, terminei todas elas entre os 10 primeiros, mas tive quebras nas duas últimas corridas”, resume o piloto da Clay Truck Racing.

Piloto da Fórmula Truck desde 2005, Maistro participou de apenas uma das quatro corridas da categoria na Argentina. Foi na segunda edição, em 2010 na pista de Buenos Aires, onde largou em 15º e terminou em sétimo. “Não corri em Córdoba em 2012, tive de participar de uma feira na Alemanha, e não faço ideia de como seja a pista. Mas isso não chega a ser um problema”, considera. “Tenho facilidade para aprender as novas pistas rapidamente”.

O goiano Rogério Castro, que cumpre sua primeira temporada na Truck defendendo a ABF/Volvo, admite ver na etapa de Córdoba a realização de um sonho antigo. “Sou de uma época em que a referência era correr lá fora para fazer carreira. Quando comecei, eu pensava em correr de fórmula nos Estados Unidos, na Europa. Não tive essas oportunidades e fiquei no Brasil. Agora vou realizar esse sonho de uma forma diferente”, ele manifesta.

Em 15º na tabela dos dois campeonatos, Castro vem de um oitavo lugar em Goiânia, um sétimo em Interlagos e outro oitavo em Cascavel. “Quem sabe venha um pódio na Argentina. Meu caminhão já sabe o caminho, foi com ele que o Paulo Salustiano terminou a etapa de Córdoba em segundo lugar no ano passado. Não conheço a pista, mas sei que é uma etapa bem desgastante, e a durabilidade do Volvo, que é bem boa, pode fazer a diferença”, aposta.

Companheiro de equipe de Castro, Alberto Cattucci também prepara-se para a primeira atuação no automobilismo fora do Brasil. O paulista, contudo, já tem referenciais da pista. “Eu tenho feito uma corridinha por dia no simulador da Fórmula Truck, pelo menos para decorar.o traçado. É uma pista diferente, e o que pega é que precisa ter um motorzão potente e que aguente até o fim. Em 2012 o caminhão Volvo se deu bem lá, espero que isso se repita”, torce.

Empatado com Castro em 15º lugar na classificação do Brasileiro e em 12º no Sul-Americano, Cattucci trabalha para voltar a colher bons resultados. “Na última corrida, em Cascavel, eu ia terminar em sexto, mas acabei envolvido em um acidente. Uma corrida antes, em Interlagos, eu era sétimo a duas voltas do fim, mas tive uma quebra. Nosso caminhão não é tão forte para um treino classificatório, mas na corrida a gente consegue vir bem”, resume.

Posts Relacionados