Moto 1000 GP: líder, Veríssimo corre contra "tabu" na GP 600 em Interlagos

quarta-feira, 12 de junho de 2013


A próxima etapa do Moto 1000 GP será realizada em Interlagos, São Paulo, no próximo dia 23 de junho. Atual líder da categoria GP 600, André Veríssimo tentará se manter na ponta da tabela e, ainda, quebrar um “tabu” pessoal. “São Paulo é minha casa, local onde sempre treino, mas que me falta sorte nas corridas. Na primeira etapa, meu motor quebrou, entrei na pista somente no classificatório”, lamentou o piloto da Motrix-Scigliano Racing, segundo colocado na abertura do calendário, justamente na pista paulista, prova vencida pelo argentino Sérgio Fasci. “Os pilotos estrangeiros estão fortes, e a liderança do campeonato, em meu caso, foi mesmo pela regularidade. Nas duas provas até agora, consegui pódio nas duas corridas, e essa regularidade é determinante”, esclareceu.

Para São Paulo, Veríssimo tem uma estratégia definida. “Vencer, é claro. Mas nesse momento, minha moto está totalmente desmontada. Temos que recuperar o tempo perdido pela quebra do motor, porque Interlagos é uma pista que exige muito do motor, principalmente na subida da Junção, onde você tem que vir bem embalado”, salientou.

Segundo colocado na classificação geral, Ademilson Peixer também está confiante. O piloto da Moto 3 Racing Team foi o segundo colocado na etapa paranaense, atrás de Rafael Bertagnolli, da BSB Motor Racing, atual quarto colocado na tabela do Brasileiro, e espera que em São Paulo, o resultado seja ainda melhor. “Estou bastante confiante. Minha moto é nova e trabalhamos esses últimos dias no acerto. Neste fim de semana vou para pista treinar no autódromo de Curitiba para finalizar algumas coisas para chegar forte em Interlagos”, revelou.

A regularidade, segundo Peixer, é outro fator determinante. “O negócio é pontuar sempre. Minha meta é andar sempre entre os cinco primeiros, e esse começo de temporada foi até melhor do que o esperado, porque voltei esse ano depois de um bom tempo parado”, comentou, sem esquecer do trabalho extra pista. “A preparação física é algo que me atrapalhou neste começo de temporada, porque os adversários estão rodando num tempo muito abaixo do que no ano passado, por exemplo. Mas confio num bom trabalho da equipe para a corrida em São Paulo, além de eu estar mais bem preparado também”, finalizou.

Todas as motocicletas do Moto 1000 GP utilizam como combustível a gasolina Petrobras Podium e como lubrificante o Lubrax Tecno Moto. Petrobras e Lubrax patrocinam a competição ao lado da BMW Motorrad e da Michelin, que fornece os pneus Power Slick, da GP 1000, e Power Cup, da GP Light, da GP 600 e da GPR 250, a todas as equipes. O campeonato tem o apoio de Beta Ferramentas, Shoei, LeoVince, Bell, Servitec, Calfin, Tutto Moto e Peterlongo.

Depois de duas das oito etapas, a classificação da categoria GP 600 no Moto 1000 GP é a seguinte:

1º) André Veríssimo (SP/Motrix-Scigliano Racing), Kawasaki, 37
2º) Ademilson Peixer (PR/Moto 3 Racing Team), Kawasaki, 30
3º) Sérgio Fasci (ARG/MG Bikes Yamaha Racing), Yamaha, 26
4º) Rafael Bertagnolli (RS/SBK Brasil), Honda, 25
5º) Marciano Santin (RS/Santin Racing), Honda, 24
6 º) Sérgio Laurentys (SP/Tato Racing), Kawasaki24
7º) Manuel Jimenez Gordo (PR/Grinjets SBK Racing), Kawasaki, 18
8º) Eduardo Costa Neto (SP/Mobil Rush Racing), Kawasaki, 18
9º) Marcus Vinicius Trotta (SP/Motom), Yamaha, 15
10º) Ives Moraes (SP/Motom), Triumph, 15
11º) Alexsandro Tiago Pires (RJ/Center Moto Racing Team), Kawasaki, 13
12º) Raoni Farfan (DF/Suprema Kawasaki), Kawasaki, 12
13º) César Almeida (BA/Corujão Racing), Honda, 9
14º) Gilvan Zeferino Costa (BA/HPN Racing Team), Honda, 5
15 º) Rodrigo Souza (PE/HPN Racing Team), Honda, 4
16º) Marcos Venicius (AP/HPN Racing Team), Kawasaki, 4
17 º) Fernando Lira Júnior (PE/HPN Racing Team), Kawasaki, 2

Posts Relacionados