World Series: Mônaco é o próximo (e mais difícil) desafio

quarta-feira, 23 de maio de 2012

De olho na F-1, pilotos realizam sonho de correr no Principado, mas terão apenas um treino para adaptação e busca pelo melhor posição no grid.

O fim de semana será de gala para o automobilismo, com a realização da corrida mais famosa e tradicional do calendário, o Grande Prêmio de Mônaco. E, além da Fórmula 1 e da GP2, a World Series também fará parte desta festa, realizando uma corrida (ao contrário da tradicional rodada dupla) no domingo, antecipando as emoções da F-1.

Principalmente para os brasileiros, o circuito urbano do Principado encrustrado no Sul da França tem um significado todo especial. Foi lá que brilhou a estrela de Ayrton Senna, que venceu nada menos que em seis oportunidades e levantou a bandeira verde e amarela para o alto do pódio.

"Não tem como não ficar ansioso, é a pista mais famosa do mundo e o sonho de todos correr aqui!", comenta Yann Cunha, um dos oito pilotos que representarão o país em Montecarlo, ao lado de Felipe Massa (F-1), Bruno Senna (F-1), Luiz Razia (GP2), Felipe Nasr (GP2), Victor Guerin (GP2), André Negrão (WSR) e Lucas Foresti (WSR).

Vencedor de corridas de rua na F-3 Sul-americana, como nos circuitos de Piriápolis (Uruguai) e Santa Fé (Argentina), Yann sabe das dificuldades que será conduzir um World Series, carro mais largo e potente que o F-3, nas ruas estreitas do Principado; por isso, tratou de treinar bastante no simulador, uma vez que o tempo de pista será bem escasso.

"Treinei bastante no simulador, mas mesmo assim parece ser um traçado bem difícil. Pode não parecer, mas é bem rápido e você não pode cometer erros. Nas curvas de alta, você só tem um traçado a seguir e, se sair um pouquinho dele, você pode ver o guard-rail e aí acaba tudo. Mas o negócio é manter a calma e concentrar", analisa o representante da Pons Racing, que faz seu primeiro ano na categoria.

Formato diferenciado de programação: por Mônaco ser um circuito de rua e propício a atrasos e interrupções no evento principal, que é a F-1, a World Series fará apenas uma sessão de treinos classificatórios e a corrida, sem treinos livres. Assim como na GP2, os 26 pilotos serão divididos em dois grupos na manhã do sábado para a tomada de tempos, marcada para as 4h (de Brasília). A corrida acontece às 6h do domingo. O canal por assinatura Bandsports exibe a prova ao vivo.

Posts Relacionados