Petrov critica Renault, causa mal-estar e coloca vaga em 2012 em xeque

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Vitaly Petrov GP da Coreia do Sul Yeongam (Foto: AFP) O russo Vitaly Petrov, companheiro de Bruno Senna na Renault-Lotus, fez duras críticas a equipe em entrevista ao canal de TV Russia 2. As declarações podem complicar a continuidade de Petrov na equipe na próxima temporada, já que segundo o próprio piloto, está estabelecido no contrato não criticar a escuderia. E Renault-Lotus ainda não definiu a dupla de pilotos para 2012. Ela aguarda a recuperação de Robert Kubica. Petrov, Bruno e o piloto de testes francês Romain Grosjean são os outros nomes cotados para as vagas.

- Infelizmente eu não posso dizer nada de ruim sobre o time, diz meu contrato. Mas muitas coisas tem sido escritas na mídia. As pessoas dizem que critica os pilotos. Mas com licença, leia minhas entrevistas. Eu nunca critiquei o time, apesar do que temos perdido tantas vezes. Quanto tempo nós já perdemos com pitstops? Com estratégias? - questionou.

Mas eu não posso dizer em entrevistas que eu perdi tempo em pitstops e estratégias. Mas eu não posso manter o silêncio mais, acabou. Não posso segurar tudo dentro de mim mais - completou.
Petrov está insatisfeito com o desempenho da Renault-Lotus nas últimas etapas. Após um começo de temporada promissor, a equipe marcou apenas quatro pontos nas sete últimas etapas, dois com o russo na Bélgica e dois com Senna, em Monza. Para Petrov, a equipe poderia ter marcado mais pontos no campeonato caso não cometesse erros em estratégias com frequência.

- Perdemos posições em dez corridas ou mais. Mesmo sem um carro tão rápido, nós poderíamos ter ganhado bons bontos, nós poderíamos ter terminado nos pontos se tivéssemos uma boa estratégia.

O russo lembrou o bom início de ano da equipe. Com dois pódios na abertura da temporada - Petrov foi o 2º na Austrália e Nick Heidfeld repetiu o resultado na Malásia - além da presença frequente na zona de pontuação e nas últimas fases dos treinos classificatórios.

- No começo do ano nós estávamos muito fortes. Nós estávamos muito perto da Ferrari e bem mais rápidos que a Mercedes. Era muito fácil para nós passarmos para o Q2 e Q3 usando apenas um jogo de pneus.

O piloto creditou a atual fase ruim a falta de desenvolvimento do carro deste ano.

- Por dez corridas nós não tivemos nada, tivemos o mesmo carro que iniciamos a temporada. As novas partes, por causa do exaustor frontal, não funcionaram. Trabalhamos nas asas dianteiras, traseiras, difusores, assoalho, mas tudo que mudamos foi inútil - lamentou.

Mesmo com contrato válido para a próxima temporada, Petrov não tem certeza se continuará na Renault-Lotus em 2012.

- Tudo está claro: eu tenho contrato. Mas como eu disse, até o campeão mundial Kimi Raikkonen deixou a F-1 por uma certa quantia de dinheiro. É difícil fazer alguma coisa nesse mundo se alguém quiser que você saia - encerrou.

fonte: globo.com
foto: afp

Posts Relacionados