STOCK CAR: Asfalto novo não aguenta e treinos são cancelados em Londrina

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

stock car funcionários na pista (Foto: Divulgação/Carsten Horst)Os motores da Stock Car quase não roncaram nesta sexta-feira, em Londrina. Dos quatro treinos programados (dois da Stock Car e dois da Copa Montana, categoria de acesso) só um foi realizado e, mesmo assim, em condições adversas. Com pouco tempo para endurecer e com o forte calor de 40º, o asfalto novo, que terminou de ser colocado apenas na semana passada, não resistiu e cedeu. A prefeitura da cidade paranaense assumiu a responsabilidade de deixar tudo pronto para este sábado.

- Vamos concentrar todos os esforços, trabalhar o tempo inteiro, inclusive de noite, para entregar a pista pronta pela manhã. Não temos saída e não queremos atrapalhar o espetáculo da Stock Car - afirmou o prefeito de Londrina, Homero Barbosa Neto, visivelmente constrangido com a situação. Ele culpou a morosidade do processo licitatório pelo atraso nas obras - Fomos alertados de que o asfalto precisaria de 60 dias para curar, mas houve atraso na licitação. Não somos como uma empresa privada que tem agilidade para realizar obras - admitiu.

Coube ao secretário de Obras de Londrina, Agnaldo Rosa, explicar como será a operação emergencial para entregar o asfalto recuperado em menos de 24 horas.

- Vamos trabalhar dia e noite com um rolo compactador vibratório, um rolo de pneu e água para resfriar o pavimento. Esse processo nos dará uma compactação cinco vezes mais intensa que a normal.

Vicar cobra da CBA, que se exime de responsabilidade

Carlos Col, membro do Conselho Administrativo da Vicar, empresa organizadora e promotora da Stock Car, cobrou da Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA) "uma ação mais enérgica e criteriosa em relação aos autódromos brasileiros".

- A CBA não atua como deveria na homologação das pistas. Temíamos que esse problema pudesse acontecer e agora ficamos expostos a isso - afirmou Col, ao lado de Maurício Slaviero, presidente da Vicar.

Nestor Valduga, presidente do Conselho Técnico Desportivo Nacional (CTDN) da CBA, classificou como "incoerência" culpar a confederação pelo episódio e tentou eximir a instituição de qualquer responsabilidade.

- Esta obra foi realizada a partir de um acordo entre a Vicar e prefeitura de Londrina, e acompanhada pela federação paranaense - declarou. Perguntado se não é papel da CBA homologar a pista e liberá-la para a realização de corridas, ele confirmou que sim, mas retrucou - Como a CBA vai dizer se o asfalto vai aguentar ou não? Não temos nenhum técnico apto para isso. Foi uma incoerência fazer uma obra a uma semana da corrida - completou Valduga.

Pilotos são os mais prejudicados e lamentam

Os pilotos foram os mais prejudicados com o cancelamento dos treinos. Na reta final da temporada, eles perderam uma oportunidade importante para buscar o melhor acerto de seus carros e lamentaram.

- O cancelamento foi muito ruim, principalmente para os pilotos que estão brigando pelo campeonato. A sexta-feira é um dia que define muita coisa, principalmente o acerto para o treino classificatório, que, aqui em Londrina, uma pista de difícil ultrapassagem, é 70% do caminho para um bom resultado. Perdemos um dia inteiro, porque o treino que fizemos não adiantou de nada - disse o piloto Popó Bueno, quinto colocado no campeonato.

Pilotos e organização estão reunidos neste momento para definir a programação de treinos deste sábado.

fonte: globo.com
Foto: Carsten Hors

Posts Relacionados